20 de mai de 2014

Filosofia e Música: Uma possível interação em sala de aula




Thiago da Mata, Bolsista do PIBID

A regulamentação do ensino de Filosofia nas escolas traz além da novidade de uma disciplina “extra” para os alunos uma série de desafios que algumas instituições de ensino não estão preparadas para confrontá-los. Por ser ainda uma disciplina relativamente nova nos currículos escolares, nem sempre é possível encontrar um material didático apropriado e utilizá-lo nas salas de aula. O livro didático de filosofia é uma questão polêmica no Brasil. De modo que não convém abordar a temática nestas linhas por delimitação de assunto e pelas diversas nuances que este é capaz de sugerir. Os professores em geral tendem a uma flexibilidade no manuseio do livro didático fazendo uso de outros recursos didático-pedagógicos. O que não apresenta problemas sérios se devidamente trabalhado. Sobre a temática filosófica, segundo minhas constatações nas discussões em eventos de filosofia pelo país a fora, é também outro dilema. Encontramos profissionais que defendem um ensino de filosofia com bases no caráter historiográfico da filosofia, de modo que, nas aulas a opção é fazer uma leitura da filosofia pelas eras sem motivar uma reflexão crítica. Por contrapartida, outros profissionais que preferem a abordagem de temas filosóficos optando ainda por conceituações  ensinando a pensar àqueles que se dispuseram a aprender. E as discussões vão ainda muito além disso, pois, há ainda pessoas que não vem utilidade no ensino de filosofia nas escolas. As orientações curriculares para o ensino médio publicadas pela secretaria da educação básica atentam que:
Cabe,então, especificamente à Filosofia a capacidade de análise, de reconstrução racional e de crítica, a partir da compreensão de que tomar posições diante de textos propostos de qualquer tipo (tanto textos filosóficos quanto textos não filosóficos e formações discursivas não explicitadas em textos) e emitir opiniões acerca deles é um pressuposto indispensável para o exercício da cidadania.”(p.26)
            O que não exclui uma retomada da história da filosofia, já que é essencial para o pensar filosófico na sala de aula.
[...] não é possível fazer Filosofia sem recorrer a sua própria história. Dizer que se pode ensinar filosofia apenas pedindo que os alunos pensem e reflitam sobre os problemas que os afligem ou que mais preocupam o homem moderno sem oferecer-lhes a base teórica para o aprofundamento e a compreensão de tais problemas e sem recorrer à base histórica da reflexão em tais questões é o mesmo que numa aula de Física pedir que os alunos descubram por si mesmos a fórmula da lei da gravitação sem estudar Física, esquecendo-se de todas as conquistas anteriores naquele campo, esquecendo-se do esforço e do trabalho monumental de Newton.”[1]
            Estas considerações são para nos situarmos melhor no contexto das discussões sobre o ensino de filosofia no Brasil. São alvos de críticas, pesquisas e estão sempre à tona nos eventos que se dispõe a discutir a temática. No entanto, a nossa finalidade é dizer de um meio para levar a cabo a tarefa de “ensinar filosofia” no ensino médio. É necessário dizer, que uma realidade de um colégio nem sempre é igual a de outro. Até mesmo num mesmo colégio podem existir turmas com realidades diferentes e turnos com realidades distintas. Sendo assim um recurso didático pode ser eficaz em alguns casos e insuficiente em outros. Portanto, é conflitante pensar que um livro didático ou qualquer outro recurso atenderá todas as demandas num país extenso e multifacetado culturalmente como o nosso. Se o professor de filosofia, de fato estiver comprometido com o ensino terá que encontrar uma maneira adequada á sua realidade ainda que isto lhe custe esforços em pesquisa, planejamento e exija uma dose extra de criatividade.
            O projeto PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência) financiado pela Capes possibilita uma intervenção nas atividades escolares das escolas onde é acolhido. Os bolsistas com a anuência dos supervisores podem elaborar projetos e aplicá-los nestas escolas de modo a sugerir aos professores uma nova proposta metodológica que em geral são acatadas pelas instituições.
 Ao longo da história da filosofia, os mais variados filósofos se pronunciaram a respeito da música. Platão, no livro III da Republica, dedica-se a um dialogo entre Sócrates e Glauco sobre a educação musical como algo importante na educação dos jovens. Na filosofia de Aristóteles “a música tem o poder de formar a personalidade”. Na Grécia antiga a música sempre esteve presente na sociedade seja nas atividades pastoris e domésticas ou nas liturgias populares como nos ditirambos de Dionísio.

Bem mais adiante encontramos filósofos apaixonados pela música como Schopenheuer e Nietzsche. Este último, por meio de seus aforismos radicaliza e afirma que “sem música a vida seria um erro”. São vários os filósofos que dedicaram parte de seu tempo a escrever sobre o que a música representa para o homem adentrando ainda nas questões estéticas, criando teorias e problematizações que merecem uma pesquisa á parte.

Escrever sobre a música é praticamente dedicar boa parte da vida na confecção de verdadeiros tratados correndo o risco de não se ter uma obra completa dada a toda diversidade musical e direções que este estudo poderá tomar. O que de modo algum se pretende fazer aqui. A música talvez seja a forma de expressão mais usada e apreendida por nós. Desde os tempos mais tenros ela se faz presente. Do embalar doce de uma mãe afetuosa até uma canção respeitosa num ato fúnebre qualquer. “A música está em tudo do universo sai um hino”, nos sinaliza Victor Hugo.  Em nossa cultura possuímos os mais diversos gêneros musicais, passando do clássico, erudito, barroco, pelo samba e bossa nova... Até os ritmos mais modernos e agitados como o Axé music, funk, pagode, forró e arrocha que são peculiaridades do Brasil. A diversidade cultural em nosso país propicia variações de ritmos de forma mais presente em algumas regiões do que em outras. Ao passo que no nordeste há uma aceitação maior do axé, samba e pagode dado à forte influencia africana nesta região; No sudeste e sul, por exemplo, há uma maior escolha pelo sertanejo e ritmos chamados “pop” e eletrônicos. Não há como negar que a música faz parte da vida!  Ela transforma certas atividades em algo deleitoso e é capaz de atenuar nossos cansaços deixando o ambiente agradável para outros trabalhos: o que não encerra uma novidade visto que já vem sendo usada assim há muito tempo por alguns psicoterapeutas. Portanto é mais do que claro que a música perpassa a realidade humana em todas as dimensões. Sendo assim, por que não usá-la para fazer e ensinar filosofia? Isso é possível? Porque recorreríamos à musica?
Como já é sabido, com a lei 11.684/2008 o ensino de filosofia no ensino médio se torna obrigatório.  Por ser ainda recente e não ter uma assimilação da importância da disciplina por parte dos alunos. o professor da disciplina, sobretudo nas escolas da rede pública e em populações mais carentes, se depara, em alguns casos, num cenário de total desinteresse pela filosofia. Este desinteresse parte de dois lados: dos alunos e da própria escola em certos casos.  De modo geral, com base em observações que podem não ser constatadas em outros lugares, a falta de interesse surge por:
1.    Preconceito em relação à disciplina. Que é motivado por comentários de pessoas (inclusive docentes e familiares) que desconhecem o que de fato é filosofia. Tomando como lei comentários como: “Filosofia? É coisa de louco!” , “Filosofia não serve para nada!” , “Filosofia é coisa do demônio” ou ainda que “Filosofia não dá dinheiro!” entre outros comentários infundados...
2.    Falta de preparação do quadro docente. Há professores com formação em outra licenciatura que são obrigados a incorporarem turmas de filosofia para completar carga horária. Assim um professor de geografia ensina filosofia sem capacidade e interesse para isso, pois ninguém dá aquilo que não possui.
3.    Ausência de recursos pedagógicos facilitadores da prática docente. Ausência de recursos específicos para a disciplina de filosofia, fator este dificultante para a inserção do aluno no vasto mundo da filosofia. No caso da filosofia existe pouco material didático que se adéqüe a algumas realidades do estudante. Algumas escolas não possuem se quer o livro didático. Não possuem bibliotecas, equipamentos eletrônicos...

Mediante a estas três dificuldades mencionadas acima, o professor precisa produzir alguma coisa nos 40 minutos destinados às aulas de filosofia. Estes fatores observados na escola pública e colhidos de relatos de colegas são de relevância e merecem um aprofundamento e debate que não farei aqui por limitação de tema e por não ser comum às escolas em geral. Somam-se a estes três uma série de problemas sociais que a escola pública enfrenta que pelo grau de complexidade não convém também serem abordados neste texto.
Neste contexto, como cativar o aluno e fazer com que ele se interesse pela filosofia em sala de aula?

Os filósofos antigos escreveram que para a filosofia acontecer é necessário que o homem “se espante” com a realidade ou ainda que algo lhe “chame atenção”. A gênese da filosofia está na admiração como encontramos na Metafísica de Aristóteles "Na verdade, foi pela admiração que os homens começaram a filosofar”.
 O Verbo grego “thaumazein” pode traduzir este espanto ou admiração capazes de motivar o filosofar. Não dá para fazer filosofia sem algo que nos chame atenção ou nos toque.  Como o “thaumazein” motiva o filosofar, a música com toda a sua capacidade de sensibilizar pode provocar no estudante um interesse e gosto pela filosofia se nela existir algo que remeta a disciplina.  A música poderá “encantar” o estudante e despertar nele esta admiração para a atividade filosófica. Isso será possível uma vez que ela traz algo do cotidiano  que nos pode ser útil na abordagem de temas estudados pela filosofia.


Nossa proposta é usar letras de músicas e sons para provocar o interesse e gosto pelas aulas de filosofia por parte do alunado. A música pode ser capaz de criar uma aproximação do conteúdo filosófico com a vida. Não pecamos em usar musicas em sala de aula, pois a pedagogia nos incentiva a buscar práticas criativas e dinâmicas. Em sua “pedagogia da autonomia”, Paulo Freire nos convida a exercer práticas pedagógicas a partir da realidade do educando. Se a música faz parte desta realidade não há problema algum em trazê-la ao contexto escolar.  O seu uso em sala de aula, além de gerar certa “ludicidade” quer buscar também, o desenvolvimento de certas características como: interpretação, senso critico e elaboração de opiniões próprias, como é proposto nas orientações curriculares para o ensino médio.
 Exemplificando, um conteúdo filosófico como política (que pode ser trabalhado em autores como Platão, Hobbes, Marx...) é facilmente aproximado com músicas como “Nos barracos da cidade” de Gilberto Gil que questiona o modelo de governante que o país possui. O tema do amor no “Banquete” poderá tornar-se mais fácil e atraente caso seja antecipado por uma canção romântica que tenha por objetivo provocar apenas certa discussão. No entanto, é necessário esclarecer,que,a música, mesmo nestas condições, não visa substituir os clássicos filosóficos e nem o livro didático, mais numa parceria aproximá-los da realidade do educando.
Tal como os textos da tradição filosófica não são dogmas, as letras das canções também não são. Cada canção expõe um ponto de vista, em geral do compositor, que serve, assim como os textos dos filósofos, de ponto de partida para uma reflexão e debate. A escolha das músicas deve ser feita de forma criteriosa por parte do professor. Este deve prever futuras interpretações e estar atento ao que a música possa induzir o estudante a pensar. Na atividade, o professor deverá motivar leitura, interpretação e instigar o debate confrontando os pontos de vista e até propiciar um ar de curiosidade sempre ressaltando que o conteúdo a ser estudado de certa forma está na música. Alguns já se espantaram dizendo “ a gente canta isso e nunca parou para pensar!” ou “nunca tinha notado isso na letra desta música”. Expressões assim são apenas reações possíveis de quem se dedica a estudar algo tão cotidiano que às vezes aparenta até mesmo banalidade.
 O trabalho com música nas aulas de filosofias poderá ser ainda mais profundo, se o professor quiser adentrar nas concepções da estética e levar em conta outros aspectos como melodia, ritmo, contexto histórico, biografia do cantor... Há uma série de publicações e artigos sobre música e filosofia de cunho mais filosófico que merecem uma leitura e reflexão, mas aqui chamo a atenção para um uso mais didático, ou seja, voltado para as práticas pedagógicas.
O uso das letras permite também uma interdisciplinaridade entre filosofia e demais disciplinas. Ao usar uma canção de músicos como Chico Buarque ou Caetano Velloso, que alude a questões políticos-sociais, o professor poderá (e deverá) inserir o aluno no contexto de criação da música. Neste exemplo, ao apresentar tais cantores, o professor poderia relatar algo sobre o movimento "tropicália" e ditadura militar, tornando historia e filosofia parceiras numa discussão sobre política.
O gênero musical deve ser levado em consideração na hora da interpretação e debate, pois, este também insere a música num contexto especial podendo também interferir no ânimo dos alunos. A preferência por letras regionais e conhecidas possibilita ainda mais o objetivo que se quer alcançar: vincular música, realidade e filosofia. É necessário explicitar que, não existe qualquer pretensão de transformar as aulas de filosofia em uma espécie de “aula-show” onde o professor é transformado em um DJ ou apresentador de TV. O que vale é a sugestão de algo que pode significar um recurso didático barato e dinâmico capaz de facilitar o aprendizado e interesse do educando pela disciplina de filosofia.
A música em sala de aula é capaz de salvar as aulas da monotonia corroborando com números menores de evasão escolar e melhores níveis de aprendizado. Poderá ainda facilitar o acesso a cultura musical do país. Por fim pretende-se mesmo é “tocar” o estudante e por meio dela motivá-lo e facilitar o seu ingresso na atividade do filosofar.



Referências:
PLATÃO, Republica. São Paulo:Edipro.2/2012
FEITOSA, Charles. Explicando a Filosofia com Arte. Editora Ediouro Multimídia. 2009
ARANHA, M.L. MARTINS, M.H.P. Temas de Filosofia. O mundo globalizado, cap. 06, pp. 82-87. São Paulo: Moderna, 1997.
________. Filosofando, Introdução à Filosofia. São Paulo: Moderna, 2003.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei Federal no 4.024/1961. Disponível no endereço eletrônico: www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/htm. Acesso em 01 set. 2012.
______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei Federal no 5692/1971. Disponível no endereço eletrônico: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pceb2. Acesso em: 01set. 2012.
______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei Federal no 9394/1996. Disponível no endereço eletrônico: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei. Acesso em: 01 set. 2012.
______. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio - Resolução CEB/CNE no 15/98. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais> Acesso em: 01set. 2012.
______. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio / 1999. Disponível no endereço eletrônico: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais. Acesso em: 01 set. 2012.
______. Lei Federal nº 11.684/2008. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11684.htm. Acesso em: 01set. 2012.
_________. Decreto 6094 de 24 de abril de 2007. Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6094.htm>. Acesso em: 02 out. 2012.
____________. Decreto 7219, de 24 de julho de 2010. Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7219.htm>. Acesso em: 02 out. 2012.
____________. Decreto 6755 de 19 de janeiro de 2009.  Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D6755.htm>. Acesso em: 02 out. 2012.

____________. Ministério da Educação e Cultura. Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID. 2010b. Disponível em: <http://gestao2010.mec.gov.br/o_que_foi_feito/program_55.php>. Acesso em: 02 Out. 2012.

CHAUI, Marilena. Iniciação à Filosofia. São Paulo: Ática, 2010.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 2003.
MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Disponível em: em.portal.mec.gov.br/seb/pdf.Edgar Morin.
SALLES, João et all. Relatório Diretoria do Ensino Médio do MEC à ANPOF. Uma análise acerca dos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, 2010.

SAES, Silvia Faustino. Subprojeto de licenciatura em Filosofia. Do PIBID – UFBA. 2009.     In: UFBA. Detalhamento de subprojeto de licenciatura. PIBID-UFBA. 2010. Disponível em: <http://docs.google.com/viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxwaWJpZHVmYmEyMDEwfGd4OjMwNWQxNDZjNGM0NWZiZjk>. Acesso em 1 abr. 2011

LINDOMAR. Historia da Musica disponível em:< http://www.infoescola.com/musica/> acesso em 30 de Set. de 2012.
EDUCAÇÃO BÁSICA, Secretaria da . Ciências humanas e suas tecnologias . Orientações curriculares para o ensino médio. – Brasília : Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.




[1]  NASCIMENTO, Milton, apud SILVEIRA, René, Um sentido para o ensino de Filosofia no ensino médio, p. 142.

Nenhum comentário:

Postar um comentário