17 de mar de 2011

Resenhas dos livros didáticos de Filosofia presentes na Biblioteca do Colégio Estadual Manoel Novaes - II

. [descrição da imagem: capa do livro Textos Básicos de Filosofia]

Textos Básicos de Filosofia - dos pré-socráticos a Wittgenstein, Danilo Marcondes. Ed. Zahar, 1998 - FNDE PNBEM 2008.

Se sou um professor em uma sala de aula e quero ensinar genética aos meus alunos, devo lhes explicar as propriedades, os desdobramentos, mostrar representações de livros ou esboça-las no quadro, e pedir, implicitamente, que acreditem em mim e na existência do que não está ali. Para um fato histórico, o mesmo. Narrarei quais os protagonistas, as causas, as consequências, mas, por infelicidade, não poderei trazer o passado de volta e colocá-lo em cima do tablado, a favor da significação. Já na filosofia, para ser fiel a sua raiz, só há atividade se cada discurso filosófico for refeito aos olhos de quem deseja compreendê-lo; se não for apontado apenas como existente, mas se revelado, em seu ciclo de princípio e fim, como se voltasse à vida naquele instante. Se não há como um cientista demonstrar o genoma ou Napoleão novamente invadir a Rússia durante as explicações, um de Ciências, outro de História, na Filosofia é um dever que os pensamentos a ela voltados tornem a pensar quando em menção, para não se correr o risco de transformar-se também em ciência e em história.

No livro Textos Básicos de Filosofia – dos Pré-Socráticos a Wittgenstein, Danilo Marcondes traz a oportunidade do gesto. Em vez de deixar-se somente em apontamentos e resumos das filosofias, ele as faz brevemente para em seguida abrir espaço aos recortes das fontes, nos quais um pensamento de um filósofo faz seu trajeto. O autor não nega o caráter histórico, pois do contrário se diria que todas as filosofias estão em um mesmo plano atemporal, e não esquece as biografias, as prévias de cada obra a ser destacada, mas foca o texto do próprio filósofo, sem inscrever nelas análises minuciosas, cedendo ao leitor a tarefa com as questões apresentadas. Trata-se de uma compilação muito bem escolhida e com fundamentos de ensino que primam ao mesmo tempo pelo argumento e pela tradição.

Em suas considerações, porém, Marcondes comete muitas vezes generalidades que despontam nos didáticos a que eu lhe retirava a semelhança. O gosto pelos confrontos e progressão de ideias entre os filósofos, por exemplo. Colocou rivalidade entre Parmênides e Heráclito, enfatizou as disputas entre Platão e Aristóteles, trazendo dois textos do último em que há críticas diretas ao primeiro, e fez ainda deles times para Santo Agostinho e São Tomás de Aquino jogarem contra (além de afirmar que Tomás “reabilita a filosofia de Aristóteles - até então vista sob suspeita pela Igreja...”, quando tantos escolásticos, e mesmo os árabes e os judeus, o fizeram durante toda a Idade Média). Chega a cometer ambiguidades, como na questão sobre os fragmentos de Heráclito, em que pergunta “que fragmentos representam a ‘relatividade’ de nossa experiência da realidade?”, para páginas depois, já sobre Platão, declarar: “A posição dos sofistas era anti-teórica e relativista”. Então Heráclito era um tipo de sofista?

Os textos também vazam alguns problemas, advindos das dificuldades de edição de tantos autores. Como não é possível simplesmente reproduzir as traduções de cada obra publicada pelos grandes especialistas, mas só algumas, muitos trechos ou foram transpostos para o português pelo próprio Danilo Marcondes ou por convidados. Isto não é um prejuízo em si mesmo. Trechos curtos podem ser transpostos da língua original com fidelidade, por conhecedores, como em alguns momentos ocorreu. Entretanto, não há tanto esmero, comparados aos textos já editados, em outras ocasiões. É o que dá margem a erros. Na tradução de Marcus Penchel para a primeira frase de Discurso do Método, ficou "O bom senso é a coisa mais comum do mundo", o que é bem diferente de "O bom senso é a coisa do mundo melhor partilhada" de Guinsburg e Bento Prado Júnior. Pior é a tradução de Marcondes para o fragmento 35 de Heráclito, em que elabora: “Homens que amam a sabedoria precisam ter muitos conhecimentos”. O impasse não é só de fidelidade de tradução, para o que José Pessanha corrigiria com "Pois é preciso que de muitas coisas sejam inquiridores os homens amantes da sabedoria", é também de equívoco com o pensamento do filósofo, que em seu fragmento 40, não selecionado por Marcondes, indica: "Muito conhecimento não leva à sabedoria”.

Com o cuidado necessário para acompanhar as prévias dos textos junto aos alunos, para mostrar os motivos de discordância e para corrigir o que for necessário nas traduções, é um livro, acredito, útil para o professor do ensino médio. Principalmente ao se saber que não há clássicos de filosofia nas bibliotecas das escolas públicas e o didático de Danilo Marcondes é um paliativo para a carência. Veiculado pelo Ministério da Educação para todas as instituições de ensino secundário do país, o Textos Básicos de Filosofia – dos pré-socráticos a Wittgenstein se torna um dos únicos acessos do estudante à bibliografia primária da filosofia. É algo a fazer pensar o professor que pode, por que não?, montar a sua própria compilação de textos, sem preocupações editoriais ou de licença, utilizando-se das melhores traduções e das partes que mais lhes parecem destacar o pensamento de um autor, e fazê-la como um dos suportes didáticos da aula, disponibilizando aos alunos para a cópia. Eis uma lição do projeto de Marcondes.


Livro disponível aqui.

texto: Saulo Dourado

Nenhum comentário:

Postar um comentário